100 RAZÕES PARA SEGUIR A JESUS – MOISÉS

100 RAZÕES PARA SEGUIR A JESUS – UM CONTRAPONTO AOS QUE DIZEM: SEM RAZÕES PARA SEGUIR A JESUS

Moisés era filho de Anrão e Joquebede, da Tribo de Levi. Tinha como irmãos Aarão e Miriam. Ele nasceu em um tempo difícil para o povo de Israel. Eles eram escravos no Egito há quase 400 anos. Tinham-se tornado um povo numeroso e o faraó resolveu exterminá-los. Eram tratados com muita severidade no trabalho e os meninos que nascessem deveriam ser lançados no Rio Nilo. A mãe de Moisés querendo salvá-lo da morte, o colocou em um cesto de junco e deixou que descesse pelas águas do Rio Nilo. A filha do faraó o encontrou e o educou no palácio como príncipe do Egito.
Aos 40 anos de idade, Moisés visitou o seu povo e diante da violência de um egípcio contra um hebreu entrou em defesa desse e matou o egípcio. A partir do crime cometido, Moisés decidiu fugir já que o faraó queria matá-lo.
Refugiou-se em Madiã, lá se casou com Zípora e se tornou pastor de ovelhas. Ele era aparentemente um fracassado e sem identidade bem definida já que era de origem hebraica, criado como príncipe do Egito, assassino prófugo, casado com uma estrangeira e pastor na propriedade de seu sogro. Exatamente nessas circunstâncias, Moisés é chamado por Deus. O Senhor se revela na Sarça Ardente e o chama para a grande missão de ser o libertador do povo hebreu.
Moisés apresentou várias desculpas diante de Deus para não assumir aquela missão. Mas o Senhor venceu e por fim, obediente, partiu sem demora e voltou ao Egito, 40 anos depois de sua fuga.  Aarão, seu irmão, foi com ele.  E juntos procuraram o faraó solicitando que ele deixasse partir o povo oprimido. O faraó não permitiu e diante do endurecimento do seu coração aconteceram muitas desgraças.
Por fim, sobreveio a morte dos primogênitos. Moisés, atendendo as ordens de Deus, orientou os filhos de Israel a celebrar a Páscoa, dizendo que no marcado, à tarde, cada chefe de família imolaria um cordeiro sem defeito, com um ano de idade, sem lhe quebrar osso algum. Com um molhinho de hissopo, marcaria seu sangue na porta da casa. Também comeriam a sua carne, assada no fogo, com pão sem fermento e ervas amargas, com os rins cingidos, sandálias nos pés e o cajado na mão às pressas porque era Páscoa, isto é, a Passagem do Senhor. Deus prometeu não ferir os primogênitos das casas onde houvesse o sangue marcando as portas. Os filhos de Israel fizeram como que o Senhor lhes ordenou. Pela meia-noite, o Senhor feriu de morte os primogênitos de todas as famílias do Egito. Em meio ao clamor de dor que se elevou no Egito, o faraó chamou Moisés e permitiu que ele levasse o povo.
Os filhos de Israel partiram em número de 600 mil, sem contar as mulheres e crianças. Deus sempre guia seus escolhidos e seguia adiante deles, de dia em uma coluna de nuvem e de noite em uma coluna de fogo até chegarem ao Mar Vermelho. O faraó logo se arrependeu de sua decisão e perseguiu os israelitas com os seus carros e soldados e alcançou-os junto ao Mar Vermelho. Moisés encorajou o povo afirmando que o Senhor combatia por eles e estendeu a mão sobre o mar. Imediatamente as águas se dividiram, erguendo-se como muralha à direita e à esquerda, e os israelitas atravessaram a pé enxuto enquanto os egípcios afogaram com seus carros e cavalos, pois a água se fechava atrás do povo de Israel.
A missão de Moisés continuava. Era tempo de guiar o povo pelo deserto. E durante a caminhada de 40 anos os desafios foram múltiplos. Primeiro, o povo teve fome e Deus enviou o maná. A cada manhã, milagrosamente, a terra aparecia coberta com uma espécie de flocos finos com aspecto de uma geada branca que era suficiente para fazer o pão de cada dia. Em outro momento, faltou água e o povo queixou-se. Moisés recorreu ao Senhor e Ele fez brotar água do rochedo.
Depois de algum tempo, os israelitas chegaram ao pé do Monte Sinai. Moisés subiu e lá Deus proclamou os Dez Mandamentos. O povo logo prometeu ser fiel, mas como Moisés ficou 40 dias e 40 noites no alto do monte; o povo, com a mesma rapidez que prometeu fidelidade, também se esqueceu da bondade do Senhor e construiu um bezerro de ouro praticando a idolatria. Diante dessa postura do povo, o Senhor disse a Moisés: “Deixa, pois, que se acenda minha cólera contra eles e os reduzirei a nada; mas de ti farei uma grande nação” (Ex 32,10). Moisés suplicou ao Senhor misericórdia e perdão para o povo. Apesar de ser um povo idólatra, adepto da murmuração e difícil de conduzir, Moisés se responsabilizava por ele a ponto de aplacar a ira de Deus.
Em sua intimidade com o Senhor, Moisés que falava com Deus face a face, escutou a Palavra: “Quero habitar no meio de vós.” A partir daí ele organizou o culto divino com a construção do Tabernáculo onde a arca da aliança era guardada no santo dos santos com as tábuas da lei. Celebravam-se três grandes festas: a Páscoa, em memória da saída do Egito; o Pentecostes, exaltando a promulgação da Lei no Sinai; e a festa dos Tabernáculos, para recordar a peregrinação através do deserto.
Ele morreu no topo do monte Nebo, à vista da Terra Prometida, com 120 anos de idade e ainda com vigor. Seu chamado, sua missão assumida a sua perseverante caminhada pelo deserto nos recordam mais 3 motivos para seguir Jesus:

  • São Paulo nos ensina em sua carta aos Coríntios: “Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes”. Deus elegeu Moisés que aparentemente era um grande fracassado, porque a eleição de Deus não depende de nosso sucesso ou do nosso fracasso.
  • Nossas desculpas são como fumaça diante do chamado do Senhor.  Moisés nada conseguiu tentando persuadir Deus e fugir da missão a ele confiada.  Uma vez que Jesus nos chama, não há argumento humano capaz de revogar o chamado divino.
  • Deus que chama, também guia e vai à frente de seus amados da mesma forma que Deus guiou Moisés e seu povo na coluna de nuvem e de fogo. O chamado de Jesus é para segui-Lo. Portanto, Ele vai à nossa frente. Não há o que temer.

 

 

 

 

compartilhar

Anajúlia Gabino Mendes

Formadora Geral da comunidade e consagrada da comunidade de vida. Casada com Rodrigo Serva Maciel nosso fundador