100 RAZÕES PARA SEGUIR A JESUS – SÃO JOÃO EUDES

100 RAZÕES PARA SEGUIR A JESUS – UM CONTRAPONTO AOS QUE DIZEM: SEM RAZÕES PARA SEGUIR A JESUS

São João Eudes era o primogênito dos seis filhos de Isaac e Marta. Nasceu em 14 de novembro de 1601, na Normandia, França. Desde criança deu sinais de grande inclinação ao amor de Deus. Aos 14 anos ingressou no colégio dos jesuítas de Caen. Seus pais desejavam que se casasse e trabalhasse na granja da família. Mas João tinha feito voto de virgindade e ingressou na congregação do oratório em 1623 depois de conseguir com grande dificuldade a permissão do pai. Dois anos depois, foi ordenado sacerdote, dedicando-se integralmente à pregação.
Em 1627, ocorreu na Normandia uma violenta epidemia de peste e Pe. Eudes passou dois meses na assistência espiritual e material aos doentes. Depois foi enviado ao oratório do Caen onde permaneceu até que uma nova epidemia se desencadeou nessa cidade em 1631. Para evitar o perigo de contagiar seus irmãos, João se separou deles e viveu no campo, onde recebia a comida do convento.
São João Eudes passou os dez anos seguintes em missões pregando ao povo. Quando acabava de pregar, sentava-se para ouvir confissões. Ele dizia que “o pregador agita os ramos, mas o confessor é o que caça os pássaros”.
Uma das experiências adquiridas em sua vida missionária foi o desafio de encaminhar as prostitutas que desejavam converter-se. Durante algum tempo, conseguiu alojá-las provisoriamente nas casas de famílias piedosas, mas se deu conta de que esta solução não era muito adequada. Certa vez foi duramente questionado por Madalena Lamy, uma mulher humilde que tinha dado acolhida a várias mulheres de má vida que haviam se convertido. Madalena disse a João Eudes que não se enganasse indo para a Igreja para rezar tranquilo, pois “seu dever – afirmava ela – é alojar decentemente a estas pobres mulheres que se perdem porque ninguém lhes estende a mão”.  Em 1671, João Eudes alugou uma casa para as mulheres arrependidas, na qual podiam viver, desde que encontrassem um emprego decente.
A misericórdia era o pano de fundo e o eixo de toda a sua atividade espiritual e missionária. Dizia ele:
 “Três coisas se requerem para que haja misericórdia. A primeira é ter compaixão da miséria do outro, pois misericordioso é quem leva em seu coração as misérias dos miseráveis. A segunda consiste em ter uma vontade decidida de socorrê-los em suas misérias. A terceira é passar da vontade à ação”.  
Em 1643, depois de um profundo discernimento, São João Eudes abandonou a congregação do oratório a fim de trabalhar para a reforma do clero através da fundação de seminários. Decidiu formar uma associação de sacerdotes diocesanos cujo objetivo principal seria a criação de seminários para a formação de um clero zeloso. A nova associação foi fundada em 1643, em Caen, com o nome de “Congregação de Jesus e Maria”. São João Eudes e seus cinco primeiros companheiros se consagraram à “Santíssima Trindade, que é o primeiro princípio e o último fim da santidade do sacerdócio”. O distintivo da congregação era o Coração de Jesus, no que estava incluído misticamente o de Maria; como símbolo do amor eterno de Jesus pelos homens.
João Eudes foi o primeiro a introduzir o culto litúrgico aos Sagrados Coração de Jesus e Maria. Instituiu em sua congregação uma festa do Santíssimo Coração da Maria e publicou um livro intitulado “A Devoção ao Adorável Coração de Jesus”. Em seu livro incluiu uma Missa e um ofício do Sagrado Coração de Jesus. Durante os últimos anos de sua vida, escreveu um tratado sobre “O Admirável Coração da Santíssima Mãe de Deus”; se dedicou a esta obra muito tempo e a terminou um mês antes de morrer. Partiu para o céu em 19 de agosto de 1680.

 

“Nada desejo pessoalmente,

mas se Deus me exigisse expressar meu querer,

escolheria seguir vivendo indefinidamente,

para ajudar a salvar as almas”.

São João Eudes

 

São João Eudes nos aponta mais três razões para seguirmos Jesus:

  • Quando seguimos os passos de Jesus, Ele nos dá discernimento para perceber os sinais dos tempos e tomar decisões conforme a sua vontade. Infunde em nós a coragem de dar passos novos.
  • Ao seguirmos Jesus, as chamas do seu amor ardente incendeiam nossos corações de misericórdia pelos miseráveis. Jesus partilha conosco seu amor pelos homens e faz de nós servos da misericórdia.
  • Quando seguirmos Jesus, Ele nos revela a beleza do Seu Coração cheio de amor e perdão. Não há Coração mais belo e admirável que o d’Ele,
compartilhar

Ludmila Rocha Dorella

Responsável geral da comunidade. Consagrada da comunidade de vida e celibatária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *