100 RAZÕES PARA SEGUIR A JESUS – SANTA EDITH STEIN

100 RAZÕES PARA SEGUIR A JESUS – UM CONTRAPONTO AOS QUE DIZEM: SEM RAZÕES PARA SEGUIR A JESUS

Filha de pais judeus, Edith nasceu em 12 de Outubro de 1891, na Cidade de Breslau, Alemanha. Foi a caçula de onze irmãos. Sua família tinha boas condições financeiras, mas com dois anos de idade, ela perdeu seu pai, Auguste Stein. Sua mãe, Siegried Stein e seus irmãos conseguiram manter a estabilidade da família e Edith foi educada na fé judaica.
Já na infância demonstrou ampla inteligência, forte determinação, caráter firme e obstinação. Na juventude, com plena consciência e por livre escolha, abandonou a fé e dedicou-se a uma vida de estudos na Universidade de Breslau tendo como meta a Filosofia. Terminou os estudos com graduação máxima e recebeu o título de doutora em fenomenologia, em 1916. A Alemanha só concedeu esse título a doze mulheres na última metade do século XX. Brilhante nos estudos, buscava de forma incansável a verdade.
Em 1921, ela encontrou o “Livro da Vida” de Santa Teresa d’Ávila na biblioteca de um casal amigo, leu e foi profundamente tocada por Deus. Terminou a leitura em uma noite e fechou o livro dizendo a si mesma: “É essa a verdade.” A partir dessa iluminação da fé, Edith passou a buscar Jesus Cristo. Em Janeiro de 1922, foi batizada e no mês seguinte, crismada pelo Bispo de Espira. Em 1932 lecionou em uma escola dominicana, foi conferencista em instituições católicas unindo a ciência e a fé. Em 1933 a perseguição aos judeus agravou muito e ela teve de deixar as aulas. Em 14 de Outubro, com 42 anos, entrou para o Mosteiro das Carmelitas de Colônia, adotando o nome de Teresa Benedita da Cruz. Depois de cinco anos, fez a sua profissão perpétua.
Como a perseguição nazista persistia, foi transferida para Holanda, junto com sua irmã, Rosa, que era leiga carmelita. Em julho de 1942, os bispos holandeses emitiram sua posição formal contra os nazistas e em favor dos judeus. Hitler considerou uma agressão da Igreja Católica local e revidou. Em 2 de  Agosto desse ano, os nazistas invadiram o convento e levaram  brutalmente  Edith e sua irmã para o campo de concentração de Westerbork. O testemunho de Edith Stein no campo de concentração foi de doçura, paciência e conformidade à vontade de Deus, ao seu sofrimento e ao sofrimento dos outros que ali estavam. Procurou consolar os mais desesperados e amparar as crianças.  No dia 07 de Agosto, elas partiram para Auschwitz, com um grupo de 985 judeus. Por fim, em 09 de Agosto, a Irmã Teresa Benedita da Cruz, com 50 anos, morreu nas câmaras de gás e depois teve seu corpo queimado. Esse também foi o destino de sua irmã Rosa e do grupo de judeus que estavam com elas. Edith entregou-se em sacrifício pela salvação de seu povo, viveu aquilo que já tinha proclamado: “O que nos salvará não serão as realizações humanas, mas a paixão do Cristo, na qual quero ter parte” .
Edith Stein foi beatificada em 1 de Maio de 1987 e canonizada 11 anos depois, em 11 de Outubro de 1998, pelo Papa João Paulo II. Em sua canonização, estavam presentes personalidades importantes, civis e religiosas, da Alemanha e da Holanda e também alguns sobreviventes dos campos de concentração que a conheceram e diversos membros da família Stein. Em 1999, o mesmo sumo pontífice declarou santa Edith Stein, “co-Padroeira da Europa”, junto com santa Brígida e santa Catarina de Sena.

O forte testemunho dessa santa ilumina nossa alma com três motivos para seguirmos Jesus:

  • Jesus é a Verdade. “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por Mim”. (Jo 14, 6). Ele mesmo se identifica com a Verdade. Muitos santos encontraram Jesus através da busca pela Verdade. Se seu coração anseia pela Verdade, ele anseia por Jesus Cristo.
  • O seguimento de  Jesus produz uma verdadeira confiança, capaz de produzir uma paz acima das circunstâncias externas. Foi da paz de Jesus que Edith transbordou no campo de concentração e seguiu serena para o martírio.
  • Seguir Jesus é também ter a certeza que Ele mesmo vai nos fortalecer nos momentos mais difíceis. Lembremo-nos das palavras de São Paulo afirmando: “Já não sou eu quem vivo, mas Cristo vive em mim.” (Gal 2,20)
compartilhar

Anajúlia Gabino Mendes

Formadora Geral da comunidade e consagrada da comunidade de vida. Casada com Rodrigo Serva Maciel nosso fundador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *